Juros do financiamento imobiliário estão em queda

Com a crescente demanda habitacional, os bancos perceberam boas oportunidades de lucro com a redução dos juros do financiamento imobiliário.

Isso fez com que, nos últimos meses, acompanhássemos uma batalha de redução de juros. A precursora da vez é a Caixa Econômica Federal.

Entenda melhor as novas taxas, já válidas a partir de 14 de outubro, e como você pode se beneficiar com essa guerra dos bancos.

A queda de braço de juros dos bancos brasileiros

Estimulados pelas constantes quedas da taxa básica de juros (a Selic), os grandes bancos anunciaram recentemente cortes em suas taxas de juros do financiamento imobiliário.

No final de setembro, o banco Itaú anunciou a redução dos juros do crédito imobiliário para a partir de 7,45% ao ano + Taxa Referencial (TR), deixando os juros abaixo dos oferecidos pelo banco Santander, que tinha a melhor taxa do mercado.

Logo após, o Bradesco entrou na briga e baixou a sua taxa para a partir de 7,3% ao ano + TR. Agora, foi a vez da Caixa ajustar os juros do financiamento imobiliário.

A nova taxa de juros do financiamento imobiliário da Caixa

Para entrar na briga dos bancos privados e não perder a preferência dos brasileiros no que se refere a escolha do banco para financiar a casa própria, a Caixa reduziu sua taxa em 1%.

Desde 14 de outubro, o banco já está praticando taxas a partir de 7,5% ao ano + TR para financiamentos imobiliários com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

Apesar de a redução não atingir os contratos recentes do banco, que são indexados ao IPCA, e também não ter ficado abaixo de outros bancos, o financiamento pela Caixa ainda pode ser o mais interessante para quem deseja comprar uma casa ou apartamento.

Isso porque o banco público tem linhas de crédito diferenciadas e especiais, como o programa Minha Casa Minha Vida.

As formas de se beneficiar da queda dos juros

Essa queda de braço pela taxa de juros imobiliário mais atrativa mostra como os grandes bancos se interessam pelo crédito imobiliário.

Isso porque ele serve para construir relacionamento de longo prazo com os clientes, além de ser uma modalidade segura, afinal, os contratos duram anos e o imóvel é tido como garantia.

Para te ajudar, relacionamos 3 formas de se beneficiar dessa queda de juros:

1. Vendendo um imóvel

Com a queda constante da Selic e os bancos reduzindo suas taxas de juros do financiamento imobiliário, trata-se de um bom momento para efetivar a venda de um imóvel, pois a procura tenderá a aumentar com financiamentos mais baratos.

Recomendamos ficar de olho nas movimentações do mercado e contar com uma equipe especializada como a da Alian Soluções Imobiliárias.

2. Portando o seu financiamento

A portabilidade do financiamento imobiliário em meio a essa queda da taxa de juros é uma excelente opção, mas que deve ser pensada com cuidado.

É preciso se atentar aos custos da portabilidade, como o Custo Efetivo Total (CET), valor do seguro e de cobranças administrativas, para validar se vale mesmo a pena portar o contrato.

3. Comprando um imóvel

A melhor forma de se beneficiar da disputa entre os bancos é negociando a melhor taxa de juros. Também é importante ficar de olho nos gastos extras na compra de um imóvel,, nos custos do financiamento, pois os juros menores podem ficar menos atrativos com essas outras cobranças.

Vale lembrar que a expectativa dos economistas é que a Selic  baixe ainda mais até o final do ano, o que pode gerar novas reduções de juros do financiamento imobiliário.

Mas essa ainda é apenas uma especulação. Então, se você estava esperando a oportunidade certa para comprar ou vender um imóvel, entre em contato conosco e aproveite o ótimo momento.

A expectativa do setor imobiliário com a aprovação Reforma da Previdência

A aprovação do texto base da Reforma da Previdência, com grande margem na Câmara dos Deputados, injetou esperanças no setor imobiliário.

Nos próximos meses, a expectativa é de que a projeção de economia desejada pelo Governo Federal seja mantida com a aprovação dos principais pontos do texto base proposto.

Mas, por que essa reforma gera tanta movimentação no mercado imobiliário? Confira em nosso artigo!

A saúde do setor imobiliário

O setor imobiliário é, basicamente, movimentado por financiamentos de imóveis e investimentos de grandes empresas, como as empreiteiras.

Quando a economia do país se encontra debilitada, a insegurança permeia todas as transações econômicas, deixando o investidor mais conservador e o consumidor mais cauteloso por causa das variações da inflação, escassez do pleno emprego e instabilidade da taxa de juros.

Dessa forma, tanto as grandes empresas deixam de investir no mercado imobiliário, como os consumidores têm seu poder de compra reduzido com menor respaldo financeiro em investir a longo prazo.

Para crescer, o setor imobiliário precisa de uma economia estável ou em plena ascensão, que gera confiança no mercado, emprego e incentivos para financiamentos imobiliários.

A importância da Reforma da Previdência

O Brasil chegou a um ponto em que a desregulação das contas públicas, alavancadas pelo déficit da Previdência, gerou descrença na saúde econômica do país.

Apesar de a aprovação do texto proposto pelo Governo Federal não ser a solução de todos os problemas, ela representará um passo significativo na busca pelo equilíbrio das contas públicas.

Isso porque, com a aprovação da Reforma da Previdência, o mercado espera que o Governo detenha maior controle sobre seus gastos obrigatórios no decorrer dos anos.

Tal medida, como dito, é fundamental para que os investidores — principalmente os externos — percam o medo de investir em um país que pode “quebrar” em 10 ou 20 anos.

O que esperar em cenários antagônicos

Com maior confiança na saúde da economia nacional por parte dos investidores, a aprovação da Reforma da Previdência tenderá a aumentar os investimentos no setor de construção civil e gerar crédito imobiliário.

Mas é preciso lembrar que essa reforma é apenas mais um passo, iniciado com a Reforma Trabalhista e que deve ser seguida pelas aclamadas Reformas Políticas e Fiscal.

Também é importante ficar de olho no mercado e acompanhar sistematicamente a economia brasileira para dar o melhor suporte possível aos investidores que desejam aproveitar os preços mais acessíveis de imóveis ou mesmo vender uma casa ou apartamento hoje. 

Então, entre em contato com a Alian Soluções Imobiliárias, pois temos um setor especializado para ajudar você.