Gastos extras na compra de um imóvel: saiba quais são?

Com o crédito imobiliário em alta, muitas pessoas aguçam a vontade de assumir o financiamento de um apartamento ou uma casa.

Porém, é preciso se planejar bem para não entrar para o índice de contratos de financiamento de imóveis inadimplentes por causa dos gastos extras na compra de um imóvel.

Neste artigo, você conhecerá quais são esses gastos.

Gastos com o financiamento imobiliário

Existem alguns gastos que são típicos desse modelo de aquisição de bens, como os custos da taxa nominal de juros.

Além da temível Selic, ainda existem outras taxas que as instituições financeiras cobram em seus financiamentos e que detalhamos no artigo Financiamento imobiliário: o que você deve saber antes de fazer um.

Gastos extras na compra de um imóvel

Se as taxas que compõem o Custo Efetivo Total (CET) dos financiamentos de imóveis já te assustam, é preciso lembrar que existem outros gastos extras na compra de um imóvel.

Isso é importante para reduzir o risco de até perder sua casa ou apartamento caso sua situação financeira apertar e você não conseguir cumprir os compromissos assumidos.

Para não perder o aquecimento do mercado imobiliário de Fortaleza, se atente aos seguintes itens:

Vistoria técnica

Trata-se de uma exigência dos bancos que financiam imóveis e que precisam de uma certificação de que o bem é exatamente como descrito no contrato e está em boas condições.

O valor varia de banco para banco, geralmente em torno de R$ 1.000 e R$ 3.000 e sempre é pago pelo comprador, mesmo que seja diluído no financiamento do imóvel.

Registro do imóvel

Esse documento serve para certificar, por lei, quem é o proprietário do imóvel adquirido e varia de estado para estado.

Em Fortaleza, o valor do registro de imóvel equivale a cerca de 1,5% do valor do bem.

Imposto de Transmissão de Bens Imóveis

Mais conhecido como ITBI, esse tributo municipal é cobrado sempre que há a transferência de propriedade de um imóvel envolvendo pessoas vivas.

Na capital cearense, o imposto varia de 0,5% a 3% do valor do bem, dependendo de seu valor e do tipo de financiamento, e funcionários públicos têm isenção na aquisição do primeiro imóvel.

Escritura Pública

A cobrança da escritura pública se destina apenas a quem comprará um imóvel com pagamento à vista, condicionado ao pagamento do ITBI ou ITCD (Imposto de Transmissão sobre causa mortis e Doações).

Em fortaleza, o valor do imposto varia entre 2% e 3% do valor do imóvel.

Seguro do imóvel

Boa parte dos proprietários de imóveis no Brasil não contratam um seguro para o bem. Mas no caso de financiamento, a instituição financeira pode exigir a contratação do serviço.

O valor varia conforme a cobertura e o prestador do serviço, mas serve como segurança à instituição financeira caso ocorra algum dano estrutural ao imóvel.

Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbano

O IPTU não é exclusividade de quem compra imóveis por um financiamento, mas costuma ser desconsiderado na hora de fazer o planejamento financeiro antes de comprar um imóvel.

Esse imposto é aplicado sobre o valor venal do bem, com alíquotas que variam, em Fortaleza, entre 0,6%, 0,8% ou 1,4%, para imóvel residencial, e 1% ou 2% para terrenos não edificados.

Pequenas reformas e ajustes

Também comumente desprezado por quem adquire um imóvel, os gastos extras com pequenas reformas e ajustes costumam pesar no orçamento do novo proprietário.

Desde a mudança de um ponto de luz ou a extensão da rede hidráulica para atender, por exemplo, a uma máquina de lavar, elevam os custos com o novo bem.

Mudança

Depois de todos os impostos pagos e ajustes realizados, o novo proprietário do imóvel precisa se mudar. E os gastos com mudanças não costumam ser baixos.

Desde o empacotamento e a transferência dos móveis, até a aquisição de itens que antes não eram necessários. Portanto, é importante que estes gastos sejam considerados para que o orçamento mensal não estoure.

Como pode ver, existem muitos gastos extras na compra de um imóvel. Apesar disso, você não precisa desanimar.

Com um planejamento financeiro adequado, o plano de se mudar para a casa ou apartamento dos seus sonhos não precisará ser adiado.

Então, conte com a Alian Soluções Imobiliárias para aproveitar o bom momento para comprar imóveis e encontrar a melhor opção para você e sua família, sem estourar o seu orçamento mensal.

Bom momento para comprar imóveis: entenda por que você deve investir agora

Dados apontam que estamos iniciando um novo ciclo imobiliário, com a recuperação do mercado, o que nos deixa em um bom momento para comprar imóveis. Quer entender melhor? Confira em nosso artigo.

O ano de 2019 se iniciou com muitas incertezas e o mercado ainda se mantém receoso. Mas o encaminhamento de medidas de reajuste das contas públicas, como a aprovação da Reforma da Previdência, tem injetado esperança nos investidores.

Como a grande expectativa é que a economia melhore nos próximos meses, este é um bom momento para comprar imóveis se você tiver alguma reserva.

Não sabe por quê? Acompanhe em nosso artigo os indicativos de que você deve se decidir agora.

A melhora do mercado imobiliário

O fechamento do ano de 2018 já mostrava rearranjos do mercado imobiliário, com reaquecimento do setor.

É fato que as pesquisas realizadas pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) demonstraram uma melhora tímida, principalmente pelas incertezas políticas.

Com o cenário político definido nas eleições do ano passado, os investidores passaram a apostar suas fichas nas medidas de correção dos rumos da economia.

Apesar de as contas públicas precisarem de tempo e dedicação para saírem do vermelho, uma das principais apostas do mercado, a Reforma da Previdência, tem caminhado.

Isso faz com que os investidores fiquem mais confiantes e busquem ampliar seus aportes no país, seja por meio de investimentos em seus negócios ou pelo aquecimento da economia.

O bom momento para comprar imóveis

De acordo com estudiosos, o setor imobiliário passa por ciclos de quadriênios que, desde 1980, contemplam quatro fases: recuperação, expansão, excesso de ofertas e, por fim, recessão.

Com a recuperação da economia começando a dar seus primeiros passos, nos encontramos em um bom momento para comprar imóveis.

Isso porque, ao analisarmos a última década, nos deparamos com os seguintes acontecimentos:

  • 2008: crescimento do mercado imobiliário com aumento de investimentos pós-crise e aquecimento do setor de construção civil;
  • 2010: início da valorização do setor imobiliário, com aumento do valor do metro quadrado e boa parte do país;
  • 2012: consolidação do crescimento de financiamentos imobiliários, superando a casa de R$80 bilhões;
  • 2014: atingido o auge de R$113 bilhões em financiamentos para compra de imóveis no país;
  • 2015: a instabilidade política retraiu a economia brasileira, fazendo os financiamentos recuarem em 33% e os imóveis sofrerem desvalorização real;
  • 2016: registrou-se queda real de 5% no preço médio dos imóveis pelo país;
  • 2018: no final do ano, o mercado imobiliário registrou sua melhor situação desde 2015;
  • 2019: o Banco Central reduz a taxa de juros e o valor dos imóveis se mantém estável.

Com a queda da taxa básica de juros, atingindo o menor nível nas últimas três décadas (6%), os financiamentos devem se tornar mais acessíveis e reforçar o desejado reaquecimento da economia.

A oportunidade de investimento em imóveis

A redução da taxa de juros faz com que as aplicações rendam menos. Isso nos deixa em um bom momento para investir em imóveis, evitando a desvalorização dos investimentos.

O momento fica ainda mais oportuno com as recentes indicações de valorização no preço dos imóveis.

Ou seja, para quem tem aplicações na poupança, por exemplo, é interessante usar essas reservas para compra de imóveis, fugindo dos baixos rendimentos da poupança e aplicando em imóveis, que tendem a se valorizar ainda mais nos próximos meses.

Como podemos ver, um novo ciclo de quatro anos está se consolidando, com a recuperação do mercado imobiliário.

E você, vai perder esse bom momento de investir em imóveis? Se não, use os comentários para contar pra gente em que tipo de imóvel você tem interesse em investir para aproveitar essa fase, ou entre em nosso site e confira as oportunidades.